Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Ir direto para menu de acessibilidade.
Inicio contedo da pgina

Notícias


Divulgação Científica

Expressões genéticas podem ser a chave para aparência mais jovem da pele


Sex, 12 de Janeiro de 2018

Expressões genéticas podem ser a chave para aparência mais jovem da pele (Foto: Google Imagens)É senso comum que fatores externos, como poluição atmosférica e radiação ultravioleta, levam a sinais visíveis de envelhecimento da pele. Um estudo recém-publicado pela revista científica Journal of The American Academy of Dermatology (JAAD) levantou uma nova possibilidade: a expressão de determinados genes pode ser responsável pela saúde e aparência mais jovem da epiderme.

A pesquisa Age-induced and photoinduced changes in gene expression profiles in facial skin of Caucasian females across 6 decades of age – disponível¹ em texto completo para usuários do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) – sugere que o estímulo dessas expressões gênicas pode ser uma estratégia viável para retardar o envelhecimento da pele. Com isso, os atuais tratamentos com cremes, loções, injeções e cirurgias se tornariam obsoletos.

De acordo com Alexa Kimbal, líder da equipe de pesquisa, “não são apenas os genes com os quais você nasceu, mas os quais ativam e desativam ao longo do tempo". "Encontramos uma ampla gama de processos na pele afetada pelo envelhecimento e descobrimos padrões específicos de expressão genética em mulheres que aparecem mais jovens do que sua idade cronológica", disse a cientista em entrevista ao Science Daily.

Para produzir um modelo abrangente, Kimball e seus colegas coletaram e integraram dados em níveis moleculares e celulares, além do próprio tecido da pele exposta ao sol (face e antebraço) e da pele protegida pelo sol (nádegas) de 158 mulheres brancas entre 20 e 74 anos. Como parte do estudo, a equipe procurou padrões de expressão gênica comuns em mulheres com aparência mais jovens.

A aparência física da pele facial foi capturada por meio de imagens e análises digitais. As amostras de pele foram processadas para análise e as amostras de saliva foram coletadas para genotipagem. As análises revelaram mudanças progressivas relacionadas a estresse oxidativo, metabolismo energético, senescência e barreira da pele, sendo que tais alterações foram aceleradas em mulheres a partir dos 60 anos.

"Ficamos particularmente surpresos com a identificação de algumas mulheres que não só exibiram uma aparência de pele muito mais jovem do que seria esperado com base em sua idade cronológica, mas que também apresentaram um perfil específico de expressão gênica imitando a biologia de uma pele muito mais jovem. A conclusão é que a pele parece mais jovem porque se comporta dessa forma”, observou Kimball. "Ampliar a compreensão de quais escolhas e fatores levam a esse perfil específico provavelmente será de grande interesse ao longo dos tempos".

Capa JAAD - edição Jan/2018 (Imagem: Elsevier)Journal of the American Academy of Dermatology

Para ver os resultados completos da pesquisa, os usuários podem acessar o JAAD por meio do link buscar periódico do Portal. A publicação científica oficial da Academia Americana de Dermatologia (American Academy of Dermatology – AAD) visa satisfazer as necessidades educacionais da comunidade de dermatologia.

O título apresenta artigos originais revisados por pares que enfatizam estudos clínicos, de investigação e de base populacional, entrega de cuidados de saúde e pesquisa sobre qualidade de atendimento, tratamentos inovadores e de alta qualidade, novas técnicas de diagnóstico e outros tópicos relacionados a prevenção, diagnóstico e tratamento de distúrbios de pele, cabelo e unhas.

A revista científica é classificada² como a primeira de 63 publicações da categoria “Dermatologia” pelo Jornal Citation Reports 2016, da Clarivate Analytics, e possui um fator de impacto de 7,002.

¹ Verifique o conteúdo do Portal de Periódicos disponível para sua instituição.
² Pesquisa realizada no JCR 2016 em 27/12/2017.

Alice Oliveira dos Santos


Notícias relacionadas

  • 22.06.18
  • 03:06
Cientistas franceses desvendam mistério sobre a morte de Hitler
A partir de restos mortais do líder da Alemanha, pesquisadores concluíram que Hitler morreu, de fato, em 1945 após envenenar-se com cianureto e possivelmente atirar em si próprio. A análise foi publicada pelo European Journal of Internal Medicine
  • 20.06.18
  • 03:06
Brasil apresenta alta prevalência de doenças musculoesqueléticas crônicas
Pesquisa recém-publicada pelo BMC Public Health apresenta resultados sobre o problema e analisa sua associação com fatores demográficos, socioeconômicos, comportamentais e clínicos
  • 15.05.18
  • 03:05
Dejetos dispensados no mar sem tratamento podem refletir na contaminação de ostras e outros moluscos
Por serem comumente ingeridos crus, os animais podem transmitir diversos organismos patogênicos a quem os consome, provocando doenças do trato intestinal. Artigo publicado pelo periódico Water Research aborda o tema
  • 09.05.18
  • 03:05
Teoria final de Stephen Hawking sobre a origem do universo está disponível no Portal de Periódicos
Baseado na teoria das cordas, o estudo prevê que o universo é finito e muito mais simples do que dizem as várias teorias atuais sobre o Big Bang. Veja as formas de acessá-lo
  • 08.05.18
  • 03:05
Estudo analisa enorme quantidade de vírus gigantes encontrados no Brasil
Também foram avaliadas amostras da Antártida, mostrando a alta resistência que o grupo tem a diferentes temperaturas. Os resultados estão disponíveis em artigo publicado pelo periódico Virology Journal
Fim do contedo da pgina