Ir direto para menu de acessibilidade.
Inicio contedo da pgina

Notícias


Pós-Graduação

Mulheres permanecem como maioria na pós-graduação brasileira


Sex, 09 de Março de 2018

 Mulheres permanecem como maioria na pós-graduação brasileira (Foto: CCS/CAPES)Os dados da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) sobre o Sistema Nacional de Pós-Graduação apontam que as mulheres são maioria nessa modalidade da educação brasileira. Os números mais recentes, de 2016, indicam 165.564 mulheres matriculadas e tituladas em cursos de mestrado e doutorado, enquanto os homens somam 138.462, uma diferença de aproximadamente 19%.

Apenas na modalidade de mestrado acadêmico, as mulheres somaram aproximadamente 12 mil matrículas a mais que os homens e cerca de 6 mil títulos a mais foram concedidos a mulheres naquele ano. A modalidade de doutorado também traz realidade semelhante, com um total de 57.380 mulheres matriculadas e 11.190 tituladas, ao passo que os homens somaram 50.260 matrículas e 9.415 títulos em 2016.

Ainda que o crescimento da participação feminina seja uma realidade, existe uma série de desafios para uma plena igualdade de gêneros, inclusive na ciência e na pós-graduação. Áreas do conhecimento tradicionalmente masculinas, como Engenharias, Computação e Ciências Exatas e da Terra continuam com a presença maciça de homens, ainda que a perspectiva apresentada com os números dos últimos 15 anos seja de maior igualdade nessa relação.

Além disso, apesar de hoje as brasileiras serem maioria da população, viverem mais, acumularem mais anos de estudo e terem aumentado ano a ano a responsabilidade por manter os domicílios do país, ainda ganham menos que os homens brasileiros e são vítimas de violência doméstica. Se for considerado o último relatório da Organização Mundial da Saúde, o Brasil ocupa a 7ª posição entre as nações mais violentas para as mulheres, de um total de 83 países.

O relatório Global da Defasagem de Gênero 2016, do Fórum Econômico Mundial, também sugere que a igualdade econômica entre sexos, no ritmo atual, pode demorar 170 anos e alerta para uma drástica freada nos avanços nos últimos anos também em razão dos desequilíbrios crônicos nos salários e na participação no mercado de trabalho.

CCS/CAPES

A reprodução parcial ou total de notícias é autorizada desde que seja citada a fonte: "Portal de Periódicos da CAPES"

Alice Oliveira dos Santos


Notícias relacionadas

  • 03.07.18
  • 03:07
CAPES lança edital para pesquisadores de países em desenvolvimento
Serão concedidas até 100 bolsas de estudos IES brasileiras públicas ou privadas que emitam diplomas de validade nacional em Programas de Pós-Graduação stricto sensu com nota igual ou superior a três
  • 18.06.18
  • 03:06
CAPES envia brasileiros para estudar ciências biológicas e biomédicas em Yale
O curso tem duração de até seis anos, em um formato diferente dos programas de pós-graduação brasileiros. Confira os pré-requisitos e as orientações para efetuar inscrição
  • 07.06.18
  • 03:06
CAPES lança editais para fortalecimento dos PPGs da Região Norte e Maranhão
O PROCAD/Amazônia e o PVNS – Amazônia receberão até 16 de julho de 2018 inscrições de projetos conjuntos de ensino e pesquisa que aprimorem a formação pós-graduada
  • 07.05.18
  • 03:05
CAPES patrocina vinda de pesquisadores de alto nível para o Brasil
Interessados têm até 22 de junho para fazer a inscrição no novo edital do programa Escola de Altos Estudos
  • 25.04.18
  • 03:04
Novo programa em parceria com a Alemanha apoia projetos de Química e Engenharia
Além das missões de trabalho e dos recursos de manutenção do projeto, são itens financiáveis, no âmbito do programa, as bolsas de estudo na modalidade doutorado-sanduíche
Fim do contedo da pgina