Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Ir direto para menu de acessibilidade.
Inicio contedo da pgina

Notícias


Divulgação Científica

Brasil apresenta alta prevalência de doenças musculoesqueléticas crônicas


Quarta, 20 Junho 2018

Brasil apresenta alta prevalência de doenças musculoesqueléticas crônicas (Foto: divulgação)As doenças crônicas não transmissíveis acarretam alto impacto nos sistemas de saúde do Brasil e do mundo. Entre as mais frequentes, destacam-se as condições musculoesqueléticas, com um conjunto de doenças que influenciam o estado físico, a qualidade de vida e a capacidade funcional dos indivíduos. Estudos epidemiológicos que investigam a escala dessas condições na população adulta são escassos no Brasil. Uma recente pesquisa publicada pela revista científica BMC Public Health diminui essa carência e estima a prevalência de condições musculoesqueléticas crônicas, além de sua associação com fatores demográficos, socioeconômicos, comportamentais e clínicos.

O artigo Prevalence of chronic musculoskeletal conditions and associated factors in Brazilian adults - National Health Survey é um dos produtos da dissertação em Saúde Coletiva de Mariana Alonso Monteiro Bezerra – cientista da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e usuária do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). “A motivação para a pesquisa surgiu do interesse em estudar esse tipo de doença e a distribuição na população brasileira, pois sou servidora do Hospital Universitário Pedro Ernesto (UERJ) no serviço de Reumatologia”, pontua.

Segundo a pesquisadora, as doenças musculoesqueléticas crônicas são impactantes do ponto de vista social e econômico, tanto para o indivíduo que sofre com condições limitantes, quanto para a saúde pública que arca com altos custos em saúde para os acometidos. No Brasil, segundo dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) realizada em 2013 – o primeiro grande inquérito que provê um panorama representativo da população brasileira – as principais condições musculoesqueléticas autorreferidas são as afecções da coluna vertebral, as doenças reumáticas e as doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho.

Mariana explica que são frequentes as doenças ósseas, articulares e neuromusculoesqueléticas, como, por exemplo, a osteoartrite, a osteoporose, as artrites inflamatórias e as lesões discais. Ainda de acordo com a PNS de 2013, a hipertensão arterial é a doença mais frequente no Brasil, acometendo mais de um quinto da população. Em segundo lugar, os problemas da coluna, em 18,5% dos adultos brasileiros e, em terceiro lugar, a hipercolesterolemia, com prevalência de 12,5%. “As condições musculoesqueléticas, quando analisadas de modo agregado, foram prevalentes em cerca de 21% da população brasileira, ou seja, um em cada cinco brasileiros refere ter problema diagnosticado por médico”, registra a autora.

Os resultados são fruto do trabalho da pesquisadora Mariana Alonso Monteiro Bezerra (Foto: acervo pessoal)“Minha pesquisa mostrou que a prevalência de condições crônicas musculoesqueléticas autorreferidas é alta no Brasil, porém a estimativa é similar aos demais países de média e alta renda, já que essas afetam aproximadamente um em cada quatro adultos na Europa e na América do Norte”, avalia Mariana. Ela esclarece que as patologias podem ter origem mecânica, inflamatória, metabólica ou degenerativa. “Fatores de risco modificáveis e não modificáveis podem estar relacionados a essas condições, como estilo de vida, idade avançada e presença de outras morbidades crônicas físicas ou mentais associadas”, reflete.

Assim, adoção de vida sedentária somada à falta de atividade física regular, alimentação hipercalórica com baixo consumo de frutas e verduras, tabagismo e consumo abusivo de álcool podem contribuir para o desenvolvimento de condições musculoesqueléticas crônicas. A investigação mostra que a prevalência dos distúrbios ocorre em pacientes do sexo feminino, idosos, indígenas, indivíduos socioeconomicamente mais carentes, moradores de área rural, fumantes, sedentários, indivíduos com sobrepeso ou obesidade, deprimidos e que convivem com três ou mais morbidades crônicas.

“Políticas de monitoramento de determinantes demográficos, socioeconômicos, comportamentais e clínicos são imprescindíveis para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e, em especial, das condições musculoesqueléticas em vigente crescimento”, pondera a especialista. Realizado por regiões brasileiras, o levantamento mostra que no Sul do país foi encontrada a maior prevalência, apontada em 26,5% da população, seguido do Nordeste (22%), Norte (21%), Centro-Oeste (20,2%) e Sudeste (20,1%)

O estudo contribui com achados substanciais para os sistemas de saúde no Brasil, principalmente para a saúde pública, “uma vez que fomenta a reflexão e reforça o impacto das condições musculoesqueléticas e seus determinantes, como a idade avançada e a presença de multimorbidades e depressão, evidenciando a necessidade de investimentos em profissionais e serviços de saúde para ações de rastreamento e condutas efetivas de manejo e controle, uma vez que o problema cresce mundialmente de forma expressiva”, finaliza Mariana.

Os resultados da pesquisa Prevalence of chronic musculoskeletal conditions and associated factors in Brazilian adults - National Health Survey estão disponíveis em texto completo para usuários do Portal de Periódicos. O BMC Public Health considera artigos sobre a epidemiologia e a compreensão de aspectos da saúde pública. A revista científica tem foco especial sobre determinantes sociais da saúde, correlatos ambientais, comportamentais e ocupacionais da saúde e impacto das políticas, práticas e intervenções de saúde na comunidade. O título pode ser localizado na opção buscar periódico, pelo nome ou pelo ISSN 1471-2458.

A reprodução parcial ou total de notícias é autorizada desde que seja citada a fonte: "Portal de Periódicos da CAPES"

Alice Oliveira dos Santos


Notícias relacionadas

  • 18.04.19
  • 00:04
Desigualdade social impacta diretamente na saúde de adolescentes brasileiros
Artigo sobre o tema foi publicado pelo periódico BMJ Open. Bolsista da CAPES é uma das autoras do trabalho
  • 04.04.19
  • 00:04
Estudo indica que cérebro feminino é mais jovem que o masculino
Segundo um dos autores, os homens começam a vida adulta cerca de três anos mais cedo do que as mulheres e isso persiste ao longo da vida. Artigo foi publicado pelo PNAS e está disponível no Portal de Periódicos
  • 27.03.19
  • 00:03
Ex-bolsista descobre mutação genética que protege da malária
O estudo foi publicado no início de março pela revista científica PLOS Genetics, disponível no acervo do Portal de Periódicos
  • 12.03.19
  • 00:03
Pesquisa brasileira aponta benefícios do extrato de jabuticaba na prevenção de doenças
Publicado pelo Journal of Functional Foods, o estudo mostra como pesquisadores obtiveram uma grande quantidade de compostos bioativos da casca da fruta em um pequeno volume de extrato
  • 15.02.19
  • 00:02
Metade dos oceanos mudará de cor até o final do século 21
De acordo com pesquisa publicada pelo Nature Communications, as cores dos oceanos tendem a ser intensificadas, sendo que áreas azuis devem ficar mais azuis, enquanto as verdes vão ficar ainda mais verdes
Fim do contedo da pgina