Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Ir direto para menu de acessibilidade.
Inicio contedo da pgina

Notícias


Divulgação Científica

Metade dos oceanos mudará de cor até o final do século 21


Sexta, 15 Fevereiro 2019

Uma das características mais atraentes do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é o fato de abranger as publicações mais lidas em todo o mundo, contemplando interesses não somente da comunidade científica, mas também da sociedade em geral. É o caso de um artigo recém-publicado pelo Nature Communications, que apresenta pesquisa indicando a tendência de que a cor dos oceanos mudará até o final do século devido ao aquecimento global.

Estudo publicado pelo periódico Nature Communications indica que cor dos oceanos mudará até o final do século (Foto: iGUi Ecologia)Intitulado Ocean colour signature of climate change, o estudo sugere que as regiões azuis, como os subtrópicos, se tornarão ainda mais azuis, refletindo menos fitoplâncton – e a vida em geral – nessas águas. Algumas regiões que são mais verdes hoje, como as próximas aos pólos, podem ficar ainda mais verdes, uma vez que as temperaturas mais quentes aumentam as florações de um fitoplâncton mais diversificado. Os autores observaram como as medições por satélite da luz refletida poderiam ser usadas para prever o efeito da mudança climática no fitoplâncton.

Usando um modelo de física oceânica, biogeoquímica e ecossistema ajustado para incorporar medições de luz refletida, os cientistas modelaram um aumento de temperatura global de 3 graus Celsius até 2100 para prever o impacto sobre o fitoplâncton. O modelo previu que 50% dos oceanos do mundo mudariam de cor, com regiões subtropicais tornando-se mais azuis (e desprovidas de fitoplâncton), enquanto as regiões polares ficarão mais verdes na medida em que as águas mais quentes se tornarem mais hospitaleiras para o fitoplâncton.

Estas algas marinhas microscópicas são sensíveis a mudanças na temperatura do oceano e salinidade. A aparência da cor no oceano é afetada pelo que está dentro ou não da água. As moléculas de água do oceano absorvem todas as partes da luz, exceto o azul, que é refletido de volta. Quando há alta densidade de fitoplâncton na camada iluminada pelo sol, mais luz verde é refletida de volta, dando à água uma tonalidade verde-escura.

a) modelo real; b) modelo derivado de satélite; c) Projeto de Iniciativa de Mudança Climática derivado de satélite; d) modelo atual; e/f) modelos derivados de satélite (Nature Communications)
Modelo atual (Nature Communications)

"O modelo sugere que as mudanças não parecerão imensas a olho nu; o oceano ainda parecerá azul em regiões subtropicais e verde perto do equador e dos pólos. Esse padrão básico ainda estará lá, mas será diferente o suficiente para afetar o resto da rede alimentar que o fitoplâncton sustenta”, disse a autora principal do artigo, Stephanie Dutkiewicz, em entrevista ao MIT News.


Modelo proposto (Nature Communications)
Modelo proposto (Nature Communications)

Segundo o estudo, as alterações climáticas já estão mudando a composição do fitoplâncton e, por extensão, a cor dos oceanos. No final do século 21, nosso “planeta azul” pode parecer visivelmente alterado. "Haverá uma diferença notável na cor de 50% do oceano. Isso pode ser potencialmente sério. Diferentes tipos de fitoplâncton absorvem a luz diferentemente e se a mudança climática mudar uma comunidade de fitoplâncton para outra, isso também mudará os tipos de teias alimentares que eles podem suportar", analisou Dutkiewicz.

Acesso ao artigo
A comunidade acadêmica brasileira tem acesso à revista científica Nature Communications por meio do Portal de Periódicos da CAPES. O título é de acesso aberto, de forma que pode ser consultado em texto completo pelos usuários independentemente de vínculo com instituições participantes do Portal. No conteúdo da revista, o público encontra pesquisas de alta qualidade de todas as áreas das ciências naturais, além de artigos que representam importantes avanços para especialistas de diversos campos de atuação. A publicação pode ser acessada na opção buscar periódico, pelo nome ou pelo ISSN 2041-1723.

O Portal de Periódicos autoriza a reprodução parcial ou total de suas notícias desde que seja citada a fonte: "Portal de Periódicos da CAPES"

Alice Oliveira dos Santos


Notícias relacionadas

  • 12.03.19
  • 00:03
Pesquisa brasileira aponta benefícios do extrato de jabuticaba na prevenção de doenças
Publicado pelo Journal of Functional Foods, o estudo mostra como pesquisadores obtiveram uma grande quantidade de compostos bioativos da casca da fruta em um pequeno volume de extrato
  • 12.02.19
  • 00:02
Estudo aponta riscos para sobrevivência do tamanduá-bandeira
Pesquisa realizada por bolsista da CAPES foi publicada no periódico Biological Conservation
  • 31.01.19
  • 00:01
Geólogos observam movimentações inesperadas no campo magnético da Terra
Especialistas estão prestes a publicar a atualização do Modelo Magnético Mundial – que deveria ser alterado somente em 2020. Artigo sobre o tema está disponível no periódico Nature
  • 29.01.19
  • 00:01
Dislexia é tema de artigo inédito no Brasil
Produzido pelo Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul, o artigo é o primeiro com dados coletados no Brasil, com neuroimagem funcional sobre a população disléxica
  • 17.12.18
  • 00:12
Algoritmo proposto por brasileiros indica alternativa para prevenir depressão pós-parto
Estudo propõe ferramenta para tratamento da doença por meio da análise de dados da gravidez para sistemas inteligentes com consciência emocional. O artigo científico foi publicado pelo periódico Information Fusion
Fim do contedo da pgina