Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Ir direto para menu de acessibilidade.
Inicio contedo da pgina

Notícias


Divulgação Científica

Estudo indica que cérebro feminino é mais jovem que o masculino


Quinta, 04 Abril 2019

Estudo indica que cérebro feminino é mais jovem que o masculino (Google Imagens)Uma pesquisa publicada pela revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (PNAS) aponta as diferenças que existem entre os cérebros feminino e masculino, incluindo o envelhecimento cerebral e a tendência a doenças neurodegenerativas. Diante da análise realizada com 205 pessoas, os cientistas chegaram à conclusão de que, em termos de metabolismo cerebral, o cérebro feminino adulto é cerca de 3,8 anos mais jovem que o cérebro masculino. O artigo está disponível por meio do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

As diferenças entre os sexos influenciam a morfologia e a fisiologia do cérebro durante o desenvolvimento. De acordo com um trecho do artigo, “ao longo da vida adulta, o cérebro da mulher tem uma idade cerebral metabólica persistentemente menor – em relação à idade cronológica – em comparação com o cérebro do homem”. A persistência da idade cerebral metabólica mais jovem sugere que o desenvolvimento pode influenciar, em parte, as diferenças entre os sexos no envelhecimento cerebral.

Os pesquisadores ainda buscam entender melhor por que o metabolismo cerebral difere entre homens e mulheres. O cientista Manu Goyal, um dos autores da investigação, declarou à Medical XPress que “a diferença média na idade cerebral é significativa e reproduzível, mas é apenas uma fração das diferenças entre quaisquer dois indivíduos". Para ele, esse fator "é mais forte do que muitas diferenças sexuais que já foram relatadas, mas não é nem de longe tão expressiva como outras, como a altura".

Ainda de acordo com Goyal, "não é que o cérebro dos homens envelheça mais rápido; eles começam a vida adulta cerca de três anos mais cedo do que as mulheres e isso persiste ao longo da vida”. Isso pode significar que a razão pela qual as mulheres não experimentam tanto declínio cognitivo nos últimos anos de vida é porque seus cérebros são efetivamente mais jovens. “Estamos atualmente trabalhando em um estudo para confirmar isso", anunciou Goyal.

Os resultados completos da pesquisa – intitulada Persistent metabolic youth in the aging female brain – podem ser acessados pelo Portal de Periódicos da CAPES. O PNAS é uma publicação oficial da National Academy of Sciences (NAS) e é uma das revistas científicas multidisciplinares mais citadas e abrangentes. Seu conteúdo contempla relatórios, comentários, opiniões e perspectivas com foco em ciências biomédicas, físicas, sociais e de matemática em âmbito global. Quase metade dos trabalhos aceitos é de autores de fora dos Estados Unidos. Cada artigo publicado é revisado e aprovado por pelo menos um membro da NAS.

O ISSN do título é 0027-8424. A comunidade acadêmica brasileira deve consultá-lo por meio do link de pesquisa buscar periódico do Portal.

O Portal de Periódicos autoriza a reprodução parcial ou total de suas notícias desde que seja citada a fonte: "Portal de Periódicos da CAPES"

Alice Oliveira dos Santos


Notícias relacionadas

  • 18.04.19
  • 00:04
Desigualdade social impacta diretamente na saúde de adolescentes brasileiros
Artigo sobre o tema foi publicado pelo periódico BMJ Open. Bolsista da CAPES é uma das autoras do trabalho
  • 27.03.19
  • 00:03
Ex-bolsista descobre mutação genética que protege da malária
O estudo foi publicado no início de março pela revista científica PLOS Genetics, disponível no acervo do Portal de Periódicos
  • 12.03.19
  • 00:03
Pesquisa brasileira aponta benefícios do extrato de jabuticaba na prevenção de doenças
Publicado pelo Journal of Functional Foods, o estudo mostra como pesquisadores obtiveram uma grande quantidade de compostos bioativos da casca da fruta em um pequeno volume de extrato
  • 15.02.19
  • 00:02
Metade dos oceanos mudará de cor até o final do século 21
De acordo com pesquisa publicada pelo Nature Communications, as cores dos oceanos tendem a ser intensificadas, sendo que áreas azuis devem ficar mais azuis, enquanto as verdes vão ficar ainda mais verdes
  • 12.02.19
  • 00:02
Estudo aponta riscos para sobrevivência do tamanduá-bandeira
Pesquisa realizada por bolsista da CAPES foi publicada no periódico Biological Conservation
Fim do contedo da pgina