Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Ir direto para menu de acessibilidade.
Inicio contedo da pgina

Notícias


Divulgação Científica

Ex-bolsista descobre mutação genética que protege da malária


Quarta, 27 Março 2019

Ex-bolsista descobre mutação genética que protege da malária (Google Imagens)O estudo dos genomas da população africana levou o pesquisador Mateus Gouveia a descobrir uma mutação genética que ajuda na proteção contra a malária. A descoberta aconteceu durante seu doutorado-sanduíche, cursado no National Cancer Institute (NCI), nos EUA. O pesquisador é doutor em Genética pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a pós-graduação foi financiada pela CAPES.

O foco inicial dos estudos era entender como os genomas africanos compõem e influenciam os genes na população das Américas como, por exemplo, impacto e resistência a doenças. Mateus foi convidado a liderar um estudo sobre as populações da região da África Subsaariana, conhecida como ‘Linfoma Belt’ (‘Cinturão Linfoma’, em português). Por ali são comuns os casos de malária e do Linfoma de Burkitt, um tipo de câncer pediátrico. A malária é uma das principais causadoras desse câncer.

Depois de colher os genomas de 1.700 pessoas em Gana e Uganda, o grupo liderado pelo pesquisador brasileiro descobriu uma mutação em um gene importante na proteção contra a malária. O estudo foi publicado no início de março pela revista científica PLOS Genetics, que possui relevância na área. “A partir desse estudo publicado e de seus desdobramentos, poderemos entender como funciona o mecanismo de proteção dessa mutação encontrada na pesquisa, tanto contra malária quanto contra o Linfoma de Burkitt”, afirma Mateus.

Agora, seu grupo vai estudar o efeito protetivo do gene, que está presente em 70% das populações Nilotas, do Uganda. No sul da África, região que fica fora do ‘Linfoma Belt’, o gene só está presente em 10% da população.

O artigo científico Genetic signatures of gene flow and malaria-driven natural selection in sub-Saharan populations of the "endemic Burkitt Lymphoma belt" está disponível para acesso em texto completo pelo Portal de Periódicos da CAPES. O título PLOS Genetics deve ser localizado por meio da opção buscar periódico pelo título ou pelo ISSN 1553-7390.

A publicação reflete a abrangência e a natureza interdisciplinar da pesquisa em genética e genômica, que cresceu em ritmo acelerado nos últimos 15 anos. A PLOS Genetics publica estudos em humanos, bem como pesquisas sobre organismos-modelo (de ratos e moscas a plantas e bactérias). Os tópicos abordados pela revista científica incluem descoberta e função de genes, genética de populações, projetos genômicos, genômica comparativa e funcional, genética médica, biologia de doenças, evolução, expressão gênica, características complexas, biologia cromossômica e epigenética.

Com informações da CCS/CAPES

O Portal de Periódicos autoriza a reprodução parcial ou total de suas notícias desde que seja citada a fonte: "Portal de Periódicos da CAPES"

Alice Oliveira dos Santos


Notícias relacionadas

  • 18.04.19
  • 00:04
Desigualdade social impacta diretamente na saúde de adolescentes brasileiros
Artigo sobre o tema foi publicado pelo periódico BMJ Open. Bolsista da CAPES é uma das autoras do trabalho
  • 04.04.19
  • 00:04
Estudo indica que cérebro feminino é mais jovem que o masculino
Segundo um dos autores, os homens começam a vida adulta cerca de três anos mais cedo do que as mulheres e isso persiste ao longo da vida. Artigo foi publicado pelo PNAS e está disponível no Portal de Periódicos
  • 12.03.19
  • 00:03
Pesquisa brasileira aponta benefícios do extrato de jabuticaba na prevenção de doenças
Publicado pelo Journal of Functional Foods, o estudo mostra como pesquisadores obtiveram uma grande quantidade de compostos bioativos da casca da fruta em um pequeno volume de extrato
  • 15.02.19
  • 00:02
Metade dos oceanos mudará de cor até o final do século 21
De acordo com pesquisa publicada pelo Nature Communications, as cores dos oceanos tendem a ser intensificadas, sendo que áreas azuis devem ficar mais azuis, enquanto as verdes vão ficar ainda mais verdes
  • 12.02.19
  • 00:02
Estudo aponta riscos para sobrevivência do tamanduá-bandeira
Pesquisa realizada por bolsista da CAPES foi publicada no periódico Biological Conservation
Fim do contedo da pgina