Serviços 
O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras
Ir direto para menu de acessibilidade.
Inicio contedo da pgina

Notícias


Divulgação Científica

Cientistas franceses desvendam mistério sobre a morte de Hitler


Sexta, 22 Junho 2018

Cientistas franceses desvendam mistério sobre a morte de Hitler (Foto: divulgação)Muito conhecido e lembrado por sua postura extremista, o nazista Adolf Hitler morreu em abril de 1945. Desde então, a análise biomédica de seu cadáver “é uma fantasia científica e histórica”, segundo um estudo recém-publicado pelo European Journal of Internal Medicine. Pela primeira vez desde 1946, os serviços secretos russos – que detinham as amostras em questão – concederam a um grupo de pesquisadores franceses acesso total aos restos mortais do militar para uma análise científica independente.

O artigo The remains of Adolf Hitler: A biomedical analysis and definitive identification está disponível em texto completo no Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). A análise é importante no que diz respeito à desmistificação das possíveis causas da morte de Hitler, uma vez que não havia uma versão definitiva sobre o episódio. Há quem defenda que ao final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, o ditador fugiu para a América do Sul em um submarino. Alguns acreditam que ele se refugiou em uma base escondida na Antártica.

O fato é que tudo não passava de teoria. A investigação relata que Adolf Hitler deu fim à própria vida por meio de envenenamento ou com uma arma – ou, talvez, das duas formas. “Não sabemos se ele utilizou uma ampola de cianureto ou uma bala na cabeça para se matar. Possivelmente, foram as duas opções”, afirmou o pesquisador e autor do estudo Philippe Charlier à agência France Presse. A pesquisa foi realizada a partir de um pedaço de caveira, correspondente à parte superior do osso occipital, fragmentos da mandíbula superior e restos de tecidos orgânicos.

A análise do fragmento craniano apresenta um buraco no lado esquerdo do cérebro, indicando, talvez, a região em que a arma foi disparada. Os cientistas não foram autorizados a coletar amostras do cérebro para análise, mas conferiram o material com radiografias oficiais dos arquivos dos Estados Unidos e registros odontológicos de Hitler, confirmando a veracidade dos restos mortais avaliados.

“Os dentes são autênticos, não há dúvida. Nosso estudo prova que Hitler morreu em 1945”, indicou Charlier. “Podemos parar com as teorias da conspiração”, adicionou. A afirmação de Charlier casa bem com a incerteza que existia na comunidade histórica e científica sobre o destino final do líder da Alemanha, apesar de muitos historiadores argumentarem sobre a hipótese do suicídio junto à Eva Braun, sua companheira.

Hitler liderou a Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial (Foto: divulgação)Dias após o ocorrido, os soviéticos tomaram Berlim e a agência de inteligência do Exército Vermelho encontrou restos carbonizados de Hitler. Grande parte foi destruída pelo fogo, mas os fragmentos localizados foram armazenados pelos russos. A análise dos resquícios concluiu que o ditador tinha apenas quatro dentes originais. Dos poucos verdadeiros que restavam, muitos tinham sinais severos de tártaro e periodontite. Nenhum trazia vestígios de fibra de carne, o que corrobora com a suposição de que Hitler era vegetariano.

Nos dentes metálicos os pesquisadores encontraram pequenos depósitos azulados. Segundo os cientistas, isso pode sugerir uma reação química entre o possível envenenamento por cianureto e o metal das próteses. Os especialistas não encontraram evidências de ferimento por arma de fogo ou pólvora na arcada dentária, porém não descartam a possibilidade de ele ter atirado em si próprio em outra parte do corpo.

Capa do European Journal of Internal Medicine (Imagem: Elsevier)O European Journal of Internal Medicine é disponibilizado pela editora Elsevier e faz parte da coleção Science Direct, que abriga cerca de 1800 títulos em texto completo e em todas as áreas do conhecimento, com foco em ciências, tecnologia e medicina. O título retém o ISSN 0960-1481 e é uma publicação oficial da Federação Europeia de Medicina Interna (European Federation of Internal Medicine – EFIM).

A revista científica é dedicada a promover a ciência e a prática da medicina interna na Europa. Para isso, publica artigos científicos originais, editoriais, debates e desenvolvimentos acerca de medicina interna, flashcards e outras informações relevantes. Também seleciona notícias e artigos sobre atividades e políticas da Federação, bem como das sociedades nacionais de medicina interna. Para os usuários da biblioteca virtual da CAPES, o conteúdo pode ser localizado na opção buscar periódico.


Com informações da Agência France Presse e da Revista Galileu

Verifique o conteúdo do Portal de Periódicos disponível para sua instituição

A reprodução parcial ou total de notícias é autorizada desde que seja citada a fonte: "Portal de Periódicos da CAPES"

Alice Oliveira dos Santos


Notícias relacionadas

  • 18.04.19
  • 00:04
Desigualdade social impacta diretamente na saúde de adolescentes brasileiros
Artigo sobre o tema foi publicado pelo periódico BMJ Open. Bolsista da CAPES é uma das autoras do trabalho
  • 04.04.19
  • 00:04
Estudo indica que cérebro feminino é mais jovem que o masculino
Segundo um dos autores, os homens começam a vida adulta cerca de três anos mais cedo do que as mulheres e isso persiste ao longo da vida. Artigo foi publicado pelo PNAS e está disponível no Portal de Periódicos
  • 27.03.19
  • 00:03
Ex-bolsista descobre mutação genética que protege da malária
O estudo foi publicado no início de março pela revista científica PLOS Genetics, disponível no acervo do Portal de Periódicos
  • 12.03.19
  • 00:03
Pesquisa brasileira aponta benefícios do extrato de jabuticaba na prevenção de doenças
Publicado pelo Journal of Functional Foods, o estudo mostra como pesquisadores obtiveram uma grande quantidade de compostos bioativos da casca da fruta em um pequeno volume de extrato
  • 15.02.19
  • 00:02
Metade dos oceanos mudará de cor até o final do século 21
De acordo com pesquisa publicada pelo Nature Communications, as cores dos oceanos tendem a ser intensificadas, sendo que áreas azuis devem ficar mais azuis, enquanto as verdes vão ficar ainda mais verdes
Fim do contedo da pgina